Docente de Enfermagem participa de Congresso Pernambucano de Ginecologia e Obstetrícia

A docente do curso de Enfermagem, Joanna Barros, participou do do 44° Congresso Pernambucano de Ginecologia e Obstetrícia, promovido pela Associação de Ginecologistas e Obstetras de Pernambuco (Sogope).
A recém-criada Câmara Técnica de Atenção à Saúde das Mulheres, do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (CTASM/Coren-PE), participou do 44° Congresso Pernambucano de Ginecologia e Obstetrícia, realizado no Mar Hotel, no Recife, no último dia 02. Promovido pela Associação de Ginecologistas e Obstetras de Pernambuco (Sogope), o evento, que reuniu oncologistas, cirurgiões oncológicos, cirurgiões gerais, ginecologistas, radioterapeutas, mastologistas, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, residentes e estudantes de graduação de várias áreas da saúde, teve como foco o debate da saúde da mulher de forma integrada, além da valorização e da qualificação profissional.

A CTASM/Coren-PE foi representada no Congresso pela enfermeira obstetra, mestre em Saúde Coletiva, Dra. Hérika Pinheiro, que debateu no painel sobre Assistência ao Parto e Contracepção. “Foi um momento enriquecedor, onde discutimos novas metodologias de trabalho colaborativo entre os profissionais envolvidos na cena do parto e a implantação de protocolos institucionais da rede de Atenção Obstétrica, focados no modelo de assistência ao parto com qualidade e respeito ao protagonismo das mulheres”, destacou Dra. Hérika.  Já no âmbito do tema da Contracepção, as discussões – lideradas pela promotora de Justiça e coordenadora do projeto do Ministério Público de Pernambuco sobre a Humanização do Parto e contra a Violência Obstétrica, Dra. Maisa Oliveira, – foram em torno das questões legais do planejamento reprodutivo e familiar das mulheres.

De acordo com a representante da CTASM/Coren-PE, a Enfermagem Obstétrica é fundamental para a implantação das boas práticas no parto e contribui para a diminuição das altas taxas de mortalidade materna e neonatal. “O cuidado prestado pela enfermeira obstétrica parte da premissa de que a gravidez e o parto de risco habituais são eventos fisiológicos na vida das mulheres e não precisam de intervenções”, explicou. Ela ainda lembrou que a inserção da Enfermagem Obstétrica nos serviços de saúde garante um cuidado seguro e desmedicaliza a assistência às mulheres, sendo recomendado pelas melhores evidências científicas, como o Ministério da Saúde e pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS).

No 44º Congresso da Sogope também teve a participação de outra enfermeira obstetra. Durante a Sessão Interativa de Casos Clínicos, que abordou Temas Polêmicos na Assistência ao Parto e a Contracepção, uma das debatedoras foi Dra. Joanna Francyne Barros, representante da Associação Brasileira dos Enfermeiros Obstetras e Obstetrizes – Seção Pernambuco (Abenfo-PE).

​Fonte: Coren-PE

Comentários

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *