​Estudante apresenta pesquisa sobre escrita em Braille na rotulagem de alimentos

A estudante de Farmácia, Beatriz Souza, desenvolveu uma pesquisa sobre a utilização da escrita em Braille nas embalagens de produtos alimentícios. A pesquisa teve orientação da tutora Lúcia Filizola e foi apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso na IX Jornada Estudantil que aconteceu em 20 de maio de 2017.

Confira resumo da pesquisa:
Os rótulos são elementos de comunicação entre os produtos e os consumidores, e devem auxiliar na decisão da compra, aumentando a eficiência do mercado e o bem-estar do consumidor. Os rótulos em produtos alimentícios são obrigatórios e tem como finalidade informar sobre as propriedades nutricionais, sendo importante para a promoção de alimentação saudável. As Resoluções de Diretoria Colegiada (RDC) nº 259/02 e nº 40/02, tratam de Alimentos Embalados, Rotulagem de Alimentos Industrializados e de Alimentos e Bebidas Embalados que contenham glúten, respectivamente. O direito à informação deve ser igualitário para pessoas com deficiência ou não, seja ela de qualquer natureza, entretanto, existe uma parcela significativa da população que possui deficiência visual sem acesso às informações contidas nos rótulos dos alimentos. Este estudo teve como objetivo avaliar a existência da escrita Braille nos rótulos dos produtos alimentícios em supermercados da Região Metropolitana do Recife – PE, a fim de subsidiar dados para a promoção da acessibilidade à população com deficiência visual das mais variadas classes sociais, relacionados a disponibilidade de produtos. O desenvolvimento deste estudo foi realizado no ano de 2016, nas três esferas de supermercados, que foram definidos como: Supermercado de bairro: classificado como minimercados, que são estabelecimentos de pequeno porte com pouca variedade de itens, vendem alimentos e produtos de primeira necessidade, geralmente localizados em bairros com grande fluxo de pessoas, possuindo de um a quatro caixas de atendimento; Supermercado de rede em bairro: são grandes lojas de autosserviço, apresentando grande variedade e amplitude de produtos alimentícios e não-alimentícios;  e Supermercado em Shopping Center: são supermercados que contém produtos alimentícios e outros produtos, cujo principal objetivo é atender a população que procura bens e serviços em um único local. Foram analisados um total de 75 rótulos de produtos alimentícios, de diferentes marcas, que se encontravam disponíveis nas prateleiras dos supermercados em que a pesquisa foi realizada, dos quais assim distribuídos: 41 (quarenta) produtos industrializados em embalagens de papel/papelão, 27 (vinte e sete) produtos industrializados em embalagens plásticas e 08 (oito) produtos industrializados em embalagens tipo tetrapak e de vidro. Os resultados apresentaram que em supermercados de rede e rede de bairro, verificamos que em 19 (90,5%) das embalagens secundárias em papel/papelão os rótulos apresentaram presença da escrita do sistema Braille de leitura, em relação as embalagens plásticas, tetrapak e vidro, em 18 (dezoito) produtos analisados apresentaram em sua totalidade 100% de ausência da escrita Braille. nos supermercados de rede e rede/bairro em 20 (vinte) dos itens ofertados, estes apresentaram ausência do sistema de codificação Braille nos rótulos das embalagens, tornando as informações de alguns produtos não acessíveis ao público com deficiência visual. em supermercados localizados dentro de Shopping Center, percebemos que da variedade dos produtos ofertados conforme tipo de embalagens, 72% (26) amostras apresentaram em seus rótulos ausência da escrita em Braille, sendo 09 (nove) em embalagens de papel/papelão, 13 (treze) embalagens de plástico e 04 (quatro) embalagens tetrapak e vidro. Dos dados obtidos e o fato de existir uma variedade enorme de categoria de alimentos industrializados acondicionados em embalagens semelhantes, é possível perceber que o deficiente visual mesmo perante uma alfabetização específica para que possam se comunicar através da leitura tátil, o mercado alimentício ainda não apresenta recurso suficiente para que os mesmos se tornem independentes, pois quando se tratar da intenção de realizar compras em supermercados, possivelmente se fará necessária a ajuda de uma segunda pessoa para que se possa auxiliar na escolha do produto a ser consumido, por não dispor de acesso às informações através dos rótulos.

Comentários

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *